4ª – DIMENSÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA

4ª SESSÃO SINODAL

DIMENSÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA[1]

1.- Introdução

No ano de 1997, como conseqüência da integração do trabalho Sínodo/ Projeto Rumo ao Novo Milênio(PRNM), optou-se por iniciar o estudo da Dimensão Bíblico – Catequética. Dentro dessa linha, estruturou-se uma Subcomissão para estudar o Batismo.
No segundo semestre atribuiu-se a Comissão Diocesana de Educação da Fé – CODIEF a função de estruturar o trabalho da catequese em nível Diocesano. Nesta caminhada a equipe sinodal preferiu trabalhar diretamente com os catequistas de toda a diocese, através das paróquias, para conseguir atingir mais eficazmente os resultados desejados.

2.- Fundamentação Teológica

“A catequese é um processo permanente de educação da fé das crianças, dos jovens e dos adultos, a qual compreende especialmente o ensino da doutrina cristã, dado em geral de maneira orgânica e sistemática, com o fim de iniciar na plenitude da vida cristã”.
A catequese é um processo permanente de educação da fé e de educação da vida, fé que é uma comunhão entre pessoas, que tem dimensão pessoal, comunitária e transformadora, vida que se confronta com o Evangelho, com as comunidades cristãs, respeitando as culturas dos povos e a sua história, mostrando fidelidade ao homem concreto.
Para a Dimensão Bíblico-Catequética, as Diretrizes da Ação Pastoral salientam:
“Fonte da vivência comunitária e da missão da Igreja é a Palavra de Deus, que se expressou plenamente na pregação e na existência de Jesus Cristo e se encontra na Bíblia e na Tradição. Ela suscita a fé que reúne os membros da Igreja e os integra no corpo de Cristo.
Pela vivência do Mistério de Cristo na vida cotidiana, o povo de Deus aprofunda constantemente o sentido da fé. Por ele, “adere indefectivelmente à fé e, com reto juízo, penetra-a mais profundamente e, mais plenamente, a aplica na vida”.
Pelo mesmo sentido da fé, o povo de Deus realiza uma constante “interação” entre Palavra de Deus, as formulações da fé cristã e as situações da vida, interligando a experiência da fé com o crescimento humano da vida eclesial, nos níveis pessoal, comunitário e social.
A dimensão bíblico-catequética visa promover um processo de educação pessoal e comunitária, progressiva e contínua, orgânica e sistemática do cristão na fé, na esperança e na caridade. Nesse processo, o cristão amadurece sua relação filial com o Pai, pelo Filho, no Espírito Santo. No exercício dos dons e carismas, faz crescer a comunidade eclesial na comunhão e participação. No compromisso com a justiça e a solidariedade, empenha-se na construção de uma sociedade justa e solidária.
Na 29ª Assembléia Geral, com muita pertinência essa dimensão passou a se chamar de “dimensão bíblico-catequética”. Com isso pretende-se valorizar a Palavra de Deus contida na Bíblia para a nossa salvação. A fé, como “um grão de mostarda”, cresce e se desenvolve a partir da Palavra de Deus, contida especialmente na Bíblia, “ecoando” nas pessoas, grupos e comunidades. Ela promove assim a educação e o crescimento permanente de sua fé. Esse destaque dado à dimensão bíblica vem em boa hora responder ao dinamismo das comunidades eclesiais, dos grupos apostólicos e movimentos que se aproximam da Sagrada Escritura, com novo métodos e nova sensibilidade.
A dimensão bíblico-catequética expressa o chamado de toda a Igreja a se fazer permanente ouvinte da Palavra, assimilando-a sempre mais profundamente ao confrontá-la com a vida dentro do mundo e, da história. Como afirma a Constituição “Dei Verbum”, da mesma Sagrada Escritura também se nutre salutarmente e santamente floresce o ministério da palavra, a saber, a pregação pastoral, a catequese e toda instrução cristã.”

3.- Orientações Sinodais

No dia 17 de maio de 1998, realizou-se a quarta Sessão Sinodal sobre a Dimensão Bíblico-Catequética, com a escolha das seguintes prioridades para o trabalho diocesano:
1.- Desenvolver a catequese como processo permanente da educação da Fé, junto às famílias, atendendo o ser humano em toda as etapas e situações da vida;
2.- Criar as condições (recursos financeiros, Escola de Catequistas, etc.) para a formação dos catequistas;
3.- Criar equipes de Coordenação Catequética nas Regiões Pastorais que trabalharão integradas com a Comissão Diocesana de Educação da Fé.

À luz das reflexões havidas por ocasião do estudo e aprofundamento desta Dimensão, o Sínodo determina as seguintes normas:
1.- A Comissão Diocesana de Educação na Fé elaborará o planejamento geral e um planejamento anual, no qual deverão constar:
1.1.- objetivo geral;
1.2.- objetivos específicos;
1.3.- meios;
1.4.- formas de avaliação e revisão;
2.- A Comissão Diocesana de Educação na Fé buscará preparar catequistas pelo estudo e pela formação da vida cristã integral, através de cursos, encontros e retiros espirituais;
3.- A Comissão Diocesana de Educação na Fé terá como textos bases o Catecismo da Igreja Católica, o Diretório Catequético Geral, os estudos e documentos da CNBB tais como a “Catequese Renovada” e outros, bem como estas orientações e decisões sinodais;
4.- As paróquias na caminhada da Nova Evangelização, terão o máximo cuidado em acolher instruir e formar os adultos que pedem o Sacramento da Iniciação Cristã (Batismo, Crisma e Eucaristia);
5.- Os catequistas deverão ser enviados para a missão dentro de um rito especial de “envio”. Uma vez por ano, na data do “envio” dos novos catequistas renovem seus compromissos os que desejam continuar essa missão;
6.- A Comissão Diocesana de Educação na Fé terá um assistente eclesiástico nomeado pelo Bispo Diocesano, o qual escolherá a equipe diocesana de catequese, a ser confirmada pela Autoridade Diocesana. Normalmente a referida equipe será escolhida entre os catequistas coordenadores das Regiões Pastorais.
7.- O prazo de atuação será de 4 anos podendo ser reconduzido por mais um período.
__________________________________________________
[1] – DGAP. doc. 45, n. 85-89